23 de janeiro de 2008

A crise após os 7 anos...

É efectivo... Por incrível que pareça apercebi-me à pouco tempo que há uns tempos atrás fez cerca de 7 anos em que pela primeira vez não estou apaixonada por ninguém.
Ou seja durante os últimos 7 anos que passaram estive sempre com o meu coração ocupadinho.

Agora é estranho ver que esse espaço que esteve sempre ocupado está vazio. Sou uma romântica incorrigível, não o posso negar. E é incrivelmente esquisito olhar para o meu futuro e não conseguir imaginar as coisas que antes imaginava.

Aquele conforto de termos em mente um determinado rosto. E que é com essa pessoa que pensamos comprar casa, estar ao nosso lado quando as coisas não correm bem, ser o nosso ombro onde podemos chorar baba e ranho. Aquela pessoa que já imaginamos que vai ficar careca e já quase conseguimos ver onde vão aparecer as primeiras rugas ou aquela barriguinha.

Enfim, ter aquela sensação que é com aquela pessoa que vamos e queremos envelhecer.

Quando isso já não existe, (após a torturante fase de fim de relação) fica um vazio estranho.

Sentimo-nos mais sós, ao mesmo tempo mais independentes e talvez com um bocadinho de medo.

Viver a vida "sozinha" revelou-se nos primeiros tempos complicada. Sente-se falta de ter a quem ligar antes de deitar para ouvir um boa noite. Sente-se falta ligar a alguém simplesmente para conversar sobre nada. Sente-se falta de ouvir-mos aquela pessoa dizer que vai ficar tudo bem. Que estamos lindas quando acordamos de manhã. Que somos lindas, mesmo quando estamos gordas ou magras demais. Enfim... Acho que poderia fazer uma lista de coisas imensas que se sente falta.

Com o passar do tempo essas coisas vão deixando de fazer falta. O ideal é no inicio arranjar-mos coisas para fazer. Mantermo-nos ocupadas. Se forem como eu no inicio nada vos vai conseguir fazer deixar de pensar que estão sós.

Mas passa, dói que se farta, mas acaba por passar. O vazio não desaparece, vai estar lá sempre, enquanto acreditarmos que pode um dia vir a ser preenchido por alguém. Apenas deixamos de reparar tanto nele.

E quando se está assim sozinha, pela primeira vez em tanto tempo... Crescemos... Evoluímos... Aprendemos a viver só connosco. Lutamos nós pelos nossos objectivos... e aprendemos... aprendemos tanto...

Apesar disso, há sempre os amigos. Os bons amigos que nos aturam nos momentos mais difíceis.

E aprendemos que sozinhas conseguimos o mesmo...

Um obrigada sincero a todos os meus amigos!

3 comentários:

AlexHit_l disse...

7 anos com o coracao ocupado... e agora sentes sozinha ... pensa bem ... por vezes sentimos a necessidade de estar assim descomprometidos (as), para aclarer as ideias , do que realmente vamos querer da nossa vida , e com quem o vamos passar , talvez fazer uma retrospectiva dos antigos namorados (as) e fazer uma seleccao do melhor de cada um deles, e idealizar uma pessoa que seria perfeita para nos ... ( "sera um pouco dificil encontrar , mas nao ha impossiveis" ) tambem estou so, ja ha 6 meses , mas ja me sinto preparado de novo , para ter um novo relacionamento... agora é so encontrala :) era so isto que queria dizer . haaa e sou um leitor assiduo do teu blog , tens é escrito pouco :( , és mt inteligente nas palavras que utilizas e do modo que transcreves as ideias é perfeito ... Obrigado continua

Morcegos no Sótão disse...

Não sou assim grande expert em relações, encontro-me neste momento na minha 2ª relação séria... E achei curioso falares dessa situação de te imaginares a comprar casa e a pessoa a ficar careca...

Isto porque na minha 1ª relação (que ainda durou ano e meio), nunca na vida imaginei o futuro, aliás, não o desejava... E agora, com a pessoa com que estou agora, consigo imaginá-lo e quero que seja assim. Pela 1ª vez, consigo olhar para um futuro possível e ver alguém comigo...

Isso quer dizer que não vai dar em nada? Que toda a gente acha sempre que vai ficar com a pessoa com que está? Não é possível sermos capazes de -sentir- quando algo tem real potencial de ser para sempre?

É complicado...

MJNuts

Venus disse...

Acho que em determinadas relações conseguímos prever que não têm futuro. Porque somos incompativeis em termos de feitio, porque nós mesmas não o queremos, porque temos outras prioridades... enfim o que quero dizer é que é mais fácil perceber quando uma relação não tem futuro...

Ao contrário infelizmente não é assim. Acho que podemos sentir que a relação que estamos é o mais próximo da perfeição que conseguimos até hoje. Aquela pessoa pode reunir todos os atributos que sempre desejamos para nós. Aí começamos a projectar imagens sobre o futuro. O sentimento cresce... a vontade de tar mais tempo com a outra pessoa aumenta. Imaginamos em conjunto a casa, o nome dos filhos vemos onde irão surgir as primeiras rugas...

Tudo isto é sinal que neste momento temos uma boa relação. E é nisso que nos temos de concentrar: hoje e num futuro próximo temos a "relação perfeita".

Não se pode viver com medo numa relação e infelizmente ninguém tem o poder de advinhar o futuro. As situações mudam, as pessoas que pensavamos conhecer tão bem, também.

É importante viver o que temos agora. E parece-me bastante positivo o que tens... o pensar no futuro com outra pessoa é fantástico.

Vive o hoje!

Porque quando se ama não se pensa no fim...

Felicidades!!

Vénus